Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 pensamentos em “BROTHERHOOD

  • gabriel henrique

    Fiquei tao feliz finalmente vou ter uma ideia sobre lobisomens vs vampiros nuunca tinha vist ninguem fazer uma historia tao legal seus traços sao muito bons vc poderiar continuuar essa historia

  • Matheuskick

    A história ficou muito corrida acabou muito rápido faltou uma história mais decorente vc explicou um 1 capítulo o que deveria ser explicado em 20 capítulo s fora isso ficou muito bom

  • Caliel Alves

    Foi a HQ que eu mais gostei, ela tem todos os elementos de um B-shonen, com possibilidade de desenvolvimento tanto como uma fantasia histórica com toques de RPG ou uma fantasia urbana com uma pegada de punk gótico. Com uma boa roteirização, ela pode se tornar uma história como Final Fantasy, que transcende qualquer demanda de roteiro.
    Gostei dos designes dos personagens, do vestuário deles e dos desenhos de monstros. O ponto fraco do título é suas pouquíssimas páginas para relatar uma história tão densa. Temos um vilão que cai de pára-quedas na história, Kaya tem a síndrome de Sakura, entra muda e sai calada, servindo mais como peso morto do que como uma personagem secundária.
    Talvez se você fizesse uma mini-série, sair-se-ia bem melhor. O que quero finalmente dizer é que é muita história pra pouco mangá, sacou? Em trinta e duas páginas de quadrinhos aconteceram tantas coisas em simultâneo que foi como se você pegasse One Piece e resumisse em 32 Páginas, isso nunca dá certo. Desenvolver os personagens é bom, mas não seja um Tabata Yuki.
    O desenho no início vai de bom a ótimo, mas alguns erros de proporção e anatomia deixam a arte exuberante do início da HQ arrefecer. Gostei do design de Draco todo morcegão, a motivação de rivalidade dos personagens foi muito boa, mas a morte de Kaya foi pouco emotiva para mim. Pontos para os modelos de personagens, diagramação e retículas.